BATMAN NA TV
NA DÉCADA DE 60


   Na TV em 1966, os seriados filmados tinham como objetivo de marketing divertir as famílias e os pré-adolescentes, aonde os estúdios americanos produziam mais e mais comédias em profusão. Era um bom momento para ressucitar o homem-morcego dos gibis.
      O produtor William Dozier não queria , entretanto, rechear as telinhas com um herói amargurado. A solução foi transformar Batman em comédia, colocando um liquidificador à linguagem das histórias em quadrinhos, os clichês dos antigos cine-seriados da década de 40, e a estética psicodélica daqueles tempos. Tudo com muito exagero.
     Da linguagem dos antigos seriados aproveitou-se a fórmula " será que ele irá escapar? " A história era sempre dividida em dois episódios, que eram exibidos semanalmente nos Estados Unidos e, dependendo da emissora, diariamente no Brasil. Sempre no final do primeiro episódio, Batman e Robin eram envolvidos em alguma terrível armadilha de algum de seus arqui-vilões, de forma aparentemente fatal. Enquanto eles tentavam escapar, os letreiros ( e, no Brasil, o narrador ) alardeavam com espanto: " Será que desta vez chegou mesmo o fim de nossos heróis? E o Coringa, conseguirá dominar o mundo? Não percam, na próxima semana, mais um bat-episódio nesta mesma bat-hora, neste mesmo bat-canal ". Marcar um encontro para a mesma bat-hora no mesmo bat-canal transformou-se em praticamente uma gíria dos adolescentes da época.

SÓ VALE MORTE DOLOROSA...

     Obviamente, o início do segundo episódio ( que encerrava a história ) mostrava sempre um interessante truque do homem-morcego que desmontava o ardil do vilão. A tônica de todo este processo era o exagero: os vilões, mesmo que tivessem Batman e Robin sob seu domínio, jamais se deixavam seduzir por alguma maneira fácil de matá-los. Um tiro? Uma facada? Nunca! Terríveis e doentios, os arqui-inimigos de Batman gabavam-se em armar as mais incríveis e improváveis geringonças que pudessem matar seus rivais de forma lenta e dolorosa. Esticar, esfolar, amarrar, cortar, sufocar, dependurar, ferver, deformar, tudo isso era válido.
     Mas jamais uma morte rápida e segura.
     Era engraçado notar ainda como o vilão nunca gostava de ficar por perto, para ver Batman " morrer ". Ele sempre se retirava do local do crime, deixava a geringonça funcionando, e acabava abrindo espaço para que a dupla dinâmica pudesse sacar de algum brinquedinho do cinto de utilidades que pudesse soltá-los. Havia também as pistas, é claro.
     Os vilões não se contentavam apenas em praticar seus crimes. Eles queriam que Batman soubesse de tudo, para que a contravenção fosse ainda mais gostosa de ser feita. Todos eles enviavam pistas ao Comissário Gordon e ao Chefe O'Hara, que se encarregavam rapidamente de passá-las a Batman. Era hilário: o criminoso sempre avisava a polícia do que ele pretendia fazer, só para dar mais ânimo à competição.
     Como o covil de Batman ( a chamada bat-caverna ) era de localização extremamente secreta, a polícia mantinha com Batman uma linha exclusiva denominada telefone vermelho, numa sátira escrachada ao telefone vermelho que teoricamente ligava Moscou a Washington, naqueles difíceis anos de guerra fria. Para dar mais solenidade a esta linha exclusiva, tanto Batman como o Comissário Gordon mantinham seus aparelhos telefônicos sob uma desconfortável redoma de vidro, mais parecida com um porta queijos.
     O bat-sinal, um enorme holofote que projetava o sinal do morcego nos céus de Gotham City com a finalidade de escalar Batman para alguma missão, aparecia poucas vezes no seriado. O instrumento era original dos gibis, mas na tecnológica década de 60 o telefone era bem mais prático.
     O espectador, porém, sabia que a bat-caverna se localizava nos porões da mansão de Bruce Wayne, a outra identidade do homem-morcego. O que ninguém sabia ( provavelmente ) era como Bruce wayne e seu pupilo Dick Grayson conseguiam entrar pela passagem secreta localizada na biblioteca da mansão, escorregar por um cano igual aqueles usados pelos
bombeiros norte-americanos em caso de emergência, e sair na bat-caverna já vestidos de Batman e Robin. Haveria um bat-trocador de roupas instantâneo localizado no meio do caminho?
     Das histórias em quadrinhos, o seriado aproveitou os ruídos onomatopaicos de socos, pancadas e chutes. Cada briga entre a dupla dinâmica e os vilões era recheada por letreiros e splash iguais ao gibis, que pontuavam a ação. Pow, crash, uufff, boing, zap e outros sons eram literalmente escritos na tela da tv, que por rápidos segundos se transformava num quadrinho de revista.

OS DELICIOSOS VILÕES...

     Contrariamente aos desconhecidos Adam West ( Batman )
e Burt Ward ( Robin ) , os vilões eram muitas vezes vividos por famosos atores do cinema. Casos do Pinguim ( Burgess Meredith ) , nascido em Cleveland, em 1908, foi casado com a atriz Paulette Godard e estrelou vários filmes nas décadas de 30, 40, 50, 60 e 70,e do Coringa ( Cesar Romero ) , nascido em Nova York, em 1907, ficando famoso nas décadas de 30, 40 e 50 com seu típico papel de " latin lover " ( seus pais eram cubanos ).
     Não era à toa que os letreiros de Batman, ao invés de anunciar o " ator especialmente convidado ", satiricamente chamavam " o vilão especialmente convidado ".
     Outros vilões como o Charada ( Frank Gorshin ) e a Mulher-Gato ( Lee Meriwheter ) não tinham a mesma fama de Meredith e Romero, mas sem dúvida suas participações eram fundamentais para o sucesso da série. Havia ainda um time menor de vilões menos conhecidos como o Cabeça de Ovo, Rei Tut e outros menos cotados, que muitas vezes roubavam as cenas onde apareciam. E nem poderia ser diferente. Afinal, os roteiristas reservavam a Batman e Robin as ações menos entusiastas, e seus personagens eram fracos
quando comparados ao humor e a sagacidade dos vilões. Os representantes da justiça eram pouco carismáticos.
     Na segunda fase da série, uma nova personagem entrou em cena: Barbára Gordon, filha do Comissário Gordon, que secretamente vive a sensual Batgirl ( Yvonne Craig ) , dentro de justíssimas roupas de couro que eram um verdadeiro colírio, e que auxiliava Batman no combate ao crime. Exceto o fiel mordomo Alfred, ninguém sabia que Batgirl e Barbára Gordon eram a mesma pessoa. O acesso ao seu esconderijo era feito através de uma passagem secreta localizada atrás de sua penteadeira. Saia sempre com uma possante bat-moto, e sua entrada em cena era pontuada por um sensual acorde de saxofone.
     O sucesso, é claro, aconteceu.
     Talvez mais por mérito dos vilões que dos heróis, mas aconteceu.
     Tanto que em 1966, o diretor Leslie Martinson resolveu capitalizar sobre a popularidade da série e realizou um longa-metragem denominado " Batman ", utilizando o mesmo elenco da tv.
     Neste filme, os vilões se unem ( o que jamais acontecia nos episódios ) para tentar derrotar o homem-morcego. Os resultados foram muito fracos.


VEJA ABAIXO, A HISTÓRIA E IMAGENS
DE ALGUNS PERSONAGENS DO SERIADO

 

BATMAN
BRUCE WAYNE

BATMAN - Bruce Wayne - ADAW WEST

 

ROBIN
DICK GRAYSON

BATGIRL
BÁRBARA GORDON

ROBIN - Dick Grayson - BURT WARD

BATGIRL - Barbara Gordon - YVONNE CRAIG

 

 

 

 

ALFRED O MORDOMO

TIA HARRIET COOPER
BREVE!!!

ALFRED O MORDOMO - ALAN NAPIER

 

 

 

 

COMISSÁRIO GORDON
BREVE!!!

CHEFE O`HARA
BREVE!!!


VILÕES

CORINGA
CESAR ROMERO

PINGUIM
BURGESS MEREDITH

CORINGA - CESAR ROMERO

PINGUIM - BURGESS MEREDITH

 

CHARADA 1
FRANK GORSHIN

 

CHARADA 2
JOHN ASTIN

CHARADA 1 - FRANK GORSHIN

CHARADA 2 - JOHN ASTIN

 

MULHER-GATO 1
JULIE NEWMAR

 

MULHER-GATO 2
EARTHA KITT

MULHER-GATO 1 - JULIE NEWMAR


BREVE!!!

 

CHAPELEIRO LOUCO
DAVID WAYNE

 

SR. FRIO 1
GEORGE SANDERS

CHAPELEIRO LOUCO - DAVID WAYNE

SR. FRIO 1 - GEORGE SANDERS

 

SR. FRIO 2
OTTO PREMINGER

 

SR. FRIO 3
ELI WALLACH


BREVE!!!


BREVE!!!

 

REI TUT
VICTOR BUONO

 

CABEÇA DE OVO
VINCENT PRICE

REI TUT - VICTOR BUONO


BREVE!!!

 

O ARQUEIRO
ART CARNEY

 

MINERVA
ZSA ZSA GABOR


BREVE!!!


BREVE!!!

 

LOUIE - O LILÁS
MILTON BERLE

 

VIÚVA NEGRA
TALLULAH BANKHEAD


BREVE!!!


BREVE!!!


O MENESTREL
VAN JOHNSON

 

MARCIA
A RAINHA DOS DIAMANTES

CAROLYN JONES


BREVE!!!


BREVE!!!

 

REI RELÓGIO
WALTER SLEZAK

 

MA PARKER
SHELLY WINTERS


BREVE!!!


BREVE!!!